02/08/2016 08h40

Lideranças do Brasil, Paraguai, Chile e Argentina debatem construção do corredor bioceânico

Imprensa Famasul

 Competitividade. Este é, na avaliação do presidente do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Mauricio Saito, o maior benefício para o setor produtivo com o corredor bioceânico rodoviário, que consiste em uma via de acesso terrestre aos portos chilenos, passando pelo Paraguai e pela Argentina.

 

A afirmação de Saito foi feita durante a abertura do Seminário Corredor Bioceânico ‘Brasil, Paraguai, Argentina e Chile’, realizada nesta sexta-feira (29), no Hotel Deville, em Campo Grande. O Governo Federal investirá R$ 60 milhões na construção de uma ponte que ligará Porto Murtinho a 431 quilômetros de Campo Grande ao Paraguai, sendo a estrutura o ponto de partida da Rota Bioceânica.

 

 

Para o presidente do Sistema Famasul, o corredor representa um sonho para o setor produtivo que vê sua rentabilidade comprometida com a atual situação logística do País. “Mato Grosso do Sul tem a vocação agropecuária muito intensa, sendo assim, este projeto é esperado com bastante ansiedade. Essa união da vontade política com o setor produtivo pode fazer que esse sonho seja realizado e assim termos um ambiente competitivo necessário da porteira para a fora”, acrescentou.

 

 

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, salientou em seu discurso a relevância do projeto para o desenvolvimento econômico do Estado. “Há mais de 30 anos esses países discutem a rota bioceânica e vemos agora isso aprofundar. Existe um avanço e um amadurecimento importante do planejamento disso que é um sonho próximo a ser realizado”.

 

 

Já o secretário de Política Nacional de Transporte, Hebert Drummond, do Ministério dos Transportes, demonstrou otimismo com a iniciativa. “A ponte de Porto Murtinho é o primeiro passo. A participação de representantes da indústria, da associação empresarial, da agropecuária, do comércio, do turismo e do transporte mostram uma inequívoca demonstração de apoio e crença no projeto do corredor bioceânico”.

 

 

Além das lideranças citadas, também participaram do evento o subsecretário de Planejamento Territorial e do Investimento Público da Argentina, Fernando Alvarez de Celis; o ministro de Obras Públicas do Chile, Alberto Undurraga; o ministro de Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite; o vice-ministro de Relações Exteriores do Chile, Edgardo Riveros, entre outros representantes internacionais.

 

 

Participaram também o diretor tesoureiro do Sistema Famasul, Luis Alberto Moraes Novaes e o diretor executivo da instituição, Lucas Galvan; o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Junior Mocchi, entre outras autoridades.


Média: Lideranças do Brasil, Paraguai, Chile e Argentina  debatem construção do corredor bioceânico     5,0 estrelas      
Vote nesta matéria


Leia mais notícias de Mundo

0 Comentários